02 dezembro 2005

FEBRE MACULOSA


Carrapato-Estrela
A: vista superior. B: vista inferior.

Fiquei sabendo, atravez da lista de defesa animal, que pessoas estão abandonando seus animais com medo da FEBRE MACULOSA. A falta de informação correta tem uma consequencia:ABANDONO! O post de hoje é para esclarecer dúvidas sobre esse assunto.

Conheça mais sobre a zoonose e como combatê-la.
Nas últimas semanas, a febre maculosa – zoonose cujo principal transmissor é um tipo específico de carrapato – colocou donos de animais em alerta, principalmente depois que a Secretaria Municipal de São Paulo confirmou a morte de uma vítima humana, no início de novembro.


Ao contrário do que muitos pensam, os bichos infectados não transmitem a doença para o ser humano. Por isso, não há justificativa para pânico, e muito menos para a entrega de animais para os centros de controle de zoonoses. A transmissão da febre maculosa é feita somente pelo carrapato infectado, que deve sugar a pele de 4 a 6 horas – só depois desse tempo as bactérias causadoras da doença são ativadas e se tornam capazes de infectar o homem.

Essa bactéria fatal chama-se Rickettisia Rickettsii, e seu hospedeiro é o carrapato Amblyomma Cajennense, conhecido popularmente como carrapato-estrela ou carrapato-cavalo (veja imagem), encontrado facilmente em animais que habitam zonas rurais ou de mata. "A febre maculosa é uma doença tipicamente rural. No meio urbano, sua disseminação se dá pelos animais domésticos infectados pelo carrapato estrela", explica o Dr. Rui Dammenhain, diretor-presidente da Inbravisa (Instituto Brasileiro de Auditoria em Vigilância Sanitária).

Para prevenir a zoonose, é importante não deixar cães e gatos soltos nas ruas, evitar que eles transitem em matas ou canteiros, escovar os pêlos ao menos duas vezes por semana e usar carrapaticida (existem xampus e sabonetes específicos, além de remédios mais eficazes, que funcionam por absorção cutânea, e coleiras repelentes). De acordo com Dammenhain, essas precauções praticamente reduzem a zero o risco de transmissão da doença. Dificilmente animais morrem de febre maculosa, portanto, não é preciso sacrificar aqueles que forem contaminados. É necessário combater o parasita, não o animal de estimação!

"Se a pessoa encontrar um carrapato no animal deve dar-lhe banho, de preferência numa petshop especializada ou clínica veterinária, e pedir a aplicação do carrapaticida", orienta Dammenhain. A veterinária Rosângela Ribeiro, consultora técnica da ARCA Brasil, alerta: "Se o animal que teve carrapato apresentar sintomas como febre, falta de apetite, apatia ou infecções secundárias, convém levá-lo imediatamente ao médico veterinário, que pedirá exames para confirmação da doença e prescreverá o tratamento adequado."
Fonte Arca Brasil

4 comentários:

Regina disse...

Bzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
O BANCO COMERCIAL DE BEIJOS informa:
foram depositados 1.000 beijos em sua conta.
Favor retirá-los imediatamente e distribuí-los para as pessoas que você mais gosta!
Esse blog está ficando lindo demaissssss!!!
Tenha uma linda sexta-feira!
Beijos no coração
Regina

aldora disse...

Olá
Nós aqui chamamos febre de caraça,
penso que é o mesmo bichinho ou parecido, dá febres ao homem muito altas, tenho uma irmã que teve. A zonas do nosso Portugal onde existe muito. Desculpe que eu não sabia que estava com dores nas costas, as melhoras, pensava que era uma menininha.
Beijinhos
Aldora

Léo disse...

Oi, parabéns pelo blog, e parabéns pelo alerta.

Mar disse...

muito boa a tua dica Fátima. Não podemos abandonar um doente ou eliminá-lo simplesmente. A lei vale para tudo e todos. Devemos curar a doença. A tua informação sobre o carapato estrela é muito útil.